Texto: (1 Jo 4:10-11) 

"10 Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou seu Filho como propiciação pelos nossos pecados. 

11 Amados, visto que Deus assim nos amou, nós também devemos amar uns aos outros."

Introdução: Como é lindo podermos ver a manifestação do amor de Deus de formas tão diferentes. Você consegue perceber o amor de Deus no seu dia a dia? Você consegue replicar esse amor para com as pessoas que você convive? Nosso objetivo para o estudo de hoje é que você aprenda sobre o amor de Deus e também sinta fome e sede de ser um instrumento de Deus para que todos ao seu redor recebam também o amor de Deus através da sua vida.

A importância do amor

Vamos analisar os primeiros três versículos da primeira carta do apóstolo Paulo aos Coríntios. Este texto é digno de ser estudo profundamente por todo aquele que quer seguir e servir a Deus.

1) Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o sino que ressoa ou como o prato que retine.

No primeiro versículo o apóstolo Paulo diz que mesmo que a gente fale todos os idiomas e dialetos existentes no mundo, mesmo que a gente fale a língua dos anjos, se não tiver amor, tudo o que for falado, soará como um barulho sem melodia, sem tom e sem compasso. Significa que tudo que falarmos, seja de sabedoria humana ou das coisas celestiais, se o amor não for no nosso estandarte, será apenas um barulho.

2) Ainda que eu tenha o dom de profecia e saiba todos os mistérios e todo o conhecimento, e tenha uma fé capaz de mover montanhas, se não tiver amor, nada serei.

Neste versículo aprendemos que nossa primeira motivação deve ser buscar o amor e não os dons, a revelação, o poder etc. Pois mesmo que tenhamos todos os dons, se o amor não for nossa motivação, todos os dons serão como se não existissem, já que sabemos que os dons são com o objetivo de edificação e edificação tem muito a ver com amor.

3) Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso me valerá.

De nada nos valerá toda nossa caridade, todo nosso sacrifício se o amor não for o motivo principal de tudo o que fazemos.

Mas que amor é este? Um sentimento romântico que distribui carinhos, beijos e abraço? Uma atitude de passar a mão na cabeça daqueles que precisam de uma correção?

Pelo contrário; amor não é um sentimento e nem uma atitude romântica. Amor é um mandamento. (Releia 1 Jo 4:10-11) Amor tem a ver com atitudes de entrega, de paciência com o objetivo de que o próximo seja edificado; e assim é o amor de Deus. Vamos ver algumas características desse amor impressionante.

4) 1 Co 13: 4 O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha.

O amor de Deus é paciente, tolerante e é tardio em irar. Nosso Pai não está no céu com uma vara na mão pronto a nos castigar; se fosse assim, Ele não teria dado seu filho Jesus para morrer em nosso lugar para que nossos pecados fossem perdoados.

O amor de Deus também é bondoso e bondade também não é uma atitude infantil. Bondade é também uma característica de quem quer o bem. Deus quer o nosso bem e por muitas vezes nos corrige; e Ele nos corrige porque nos ama e assim deve ser nossa atitude perante o nosso próximo.

O amor de Deus não inveja, não se vangloria e não se orgulha. Assim é o amor de Deus para com seus filhos e assim deve ser nosso amor com o próximo. Em nossa caminhada enquanto servos de Deus, nós devemos ser pacientes, bondosos, devemos desejar o bem e jamais nos invejarmos do progresso do outro, jamais devemos nos vangloriar ou nos ensoberbecermos com o fato de estarmos sendo instrumento do amor de Deus. Senão o que deveria ser amor passa a ser uma troca de favores ou uma atitude a benefício próprio.

5) 1 Co 13: 5 Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor.

Assim é o amor do nosso Deus; ele não nos maltrata; não está ansioso para nos dar uma varada, nos castigar e nos condenar; 

Ele não busca seus próprios interesses o único interesse de Deus é totalmente ligado à nós: Seu interesse e plano é convergir todas as coisas a Ele (Ef 1:10) e com isso sermos salvos e alcançarmos a vida eterna ao lado Dele.

Ele não se ira facilmente e não guarda rancor, pelo contrário, sua misericórdia se renova todas as manhãs. (Lm 3:22-23)

Ele não guarda rancor, pelo contrário, todos os nossos pecados foram lavados através do sangue de Jesus lançados no mar do esquecimento. (Miquéias 7:19)

Assim deve ser nosso amor para com o próximo; assim estaremos refletindo a imagem de Jesus para o mundo que ainda não O conhece como nós o conhecemos.

6) O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade.

Esse é o nosso Deus. Um pai amoroso e zeloso. Essa é a expressão máxima de um Pai que ama e cuida. Ele ama, mas Ele também corrige. Ele não se alegra com nossos pecados, iniquidades e injustiça e por isso nos corrige; nos corrige não porque quer nos castigar, mas porque quer que tenhamos uma postura, e consequentemente, uma vida e um futuro melhor. E esse é padrão de amor que devemos ter com nosso próximo.

7) Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

Vamos falar sobre essas palavras no original grego, que muitas vezes têm um sentido mais completo.

Tudo sofre: esta palavra sofrer significa cobrir com silencio, suportar pacientemente. Nos mostrando que Deus não tem a intenção inicial de nos envergonhar e nos expor. 

Tudo crê e espera: O amor de Deus não é um amor que confia com um olho aberto e o outro fechado. Nosso Pai confia em nós; Ele acredita na nossa mudança; Ele tem esperança em nós. Porque Ele sabe que essa mudança depende do agir d’Ele em nós.

Tudo suporta: Esta palavra no original significa satisfação, ser agradável e ser deliciosa. Suportar em português significa dar suporte e no grego dá também uma ideia de fazer isso, mas com satisfação e prazer em fazê-lo. Não tem nada a ver com suportar por não ter outra opção, mas suportar por amor.

Conclusão: O amor de Deus é um amor lindo, incrível e sacrificial; o Pai não tem interesse em nos maltratar, por isso Ele deu a vida do seu filho por nós. E assim deve ser nosso amor; que tudo suporta, tudo crê e tudo sofre, para que assim como fomos alcançados pela graça, outros também possam ser alcançados através de nossas vidas refletindo o amor do Pai.

Esboço de Karina Siqueira Melgaço

Publicado em Ministério Monte Sião