Texto: 2 Tm 2.22 a 3.17


Introdução: Paulo sabia o quanto era importante encorajar Timóteo, pois o jovem líder tinha que saber se posicionar diante de situações complicadas. Dessa forma, ele lhe deu a incumbência de ser corajoso e tomar as decisões certas nos tempos de dificuldades.  


Coragem é a primeira das qualidades essenciais para uma liderança efetiva. Líderes tem iniciativas e posicionamento mesmo quando ninguém mais está com eles. Paulo preparou Timóteo para esse ato:


1. Há algo de que devemos nos prevenir

“Foge, outrossim, das paixões da mocidade. Segue a justiça, a fé, o amor e a paz com os que, de coração puro, invocam o Senhor. E repele as questões insensatas e absurdas, pois sabes que só engendram contendas” (2 Tm 2.22, 23).

Líderes passam por tentação, tais como prazer e poder, que podem arruinar a sua vida pessoal. 


2. Há algo para perseguir. 

“Foge, outrossim, das paixões da mocidade. Segue a justiça, a fé, o amor e a paz com os que, de coração puro, invocam o Senhor” (e Tm 2.22).

Os líderes devem procurar as qualidades que irão fazer parte de seu caráter e integridade. 

Devemos perseguir: justiça, fé, amor, paz, coração puro. 


3. Há coisas que precisam ser retratadas.

“Ora, é necessário que o servo do Senhor não viva a contender, e sim deve ser brando para com todos, apto para instruir, paciente, disciplinando com mansidão os que se opõem, na expectativa de que Deus lhes conceda não só o arrependimento para conhecerem plenamente a verdade, mas também o retorno à sensatez, livrando-se eles dos laços do diabo, tendo sido feitos cativos por ele para cumprirem a sua vontade” (2 Tm 2.24-26).

Os líderes devem moldar as suas atitudes de tal maneira que os outros desejem também se submeter à vontade de Deus. 


4. Há algumas coisas que precisam ser percebidas. 

“Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis, pois os homens serão egoístas, avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverentes, desafeiçoados, implacáveis, caluniadores, sem domínio de si, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, enfatuados, mais amigos dos prazeres que amigos de Deus, tendo forma de piedade, negando-lhe, entretanto, o poder. Foge também destes. Pois entre estes se encontram os que penetram sorrateiramente nas casas e conseguem cativar mulherinhas sobrecarregadas de pecados, conduzidas de várias paixões, que aprendem sempre e jamais podem chegar ao conhecimento da verdade. E, do modo por que Janes e Jambres resistiram a Moisés, também estes resistem à verdade. São homens de todo corrompidos na mente, réprobos quanto à fé; eles, todavia, não irão avante; porque a sua insensatez será a todos evidente, como também aconteceu com a daqueles” (2 Tm 3.1-9).

Os líderes devem saber interpretar o seu contexto e assumir a responsabilidade de se manterem firmes no que é correto. 


5. Há coisas que precisam ser ditas. 

“Tu, porém, tens seguido, de perto, o meu ensino, procedimento, propósito, fé, longanimidade, amor, perseverança, as minhas perseguições e os meus sofrimentos, que me aconteceram em Antioquia, Icônio e Listra, – que variadas perseguições tenho suportado! De todas, entretanto, me livrou o Senhor. Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos. Mas os homens perversos e impostores irão de mal a pior, enganando e sendo enganados. Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste e de que foste inteirado, sabendo de quem o aprendeste e que, desde a infância, sabes as sagradas letras, que podem tornar-te sábio para a salvação pela fé em Cristo Jesus. Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra” (2 Tm 3.10-17).

Os líderes devem se apegar à Palavra de Deus e usa-la como seu manual e modelo para treinamento. 


Roberto e Lourdes

Fonte: John C. Maxwell